Mais uma de um gênio, chamado Sebastien…

Prestaram atenção no nome, Sebastien com E? Pois é, que ninguém pense que é o quase xará Vettel, que viu uma vitória certa sumir assim como as marchas de sua Red Bull, embora o personagem do post também conte com o patrocínio do touro vermelho. A esta altura, sites, publicações, redes sociais e tudo o mais já revelaram o que trouxe a 91ª edição da Pikes Peak International Hillclimb (PPIHC), com direito a chuva e neve, em pleno verão nos EUA. Como bem dizem os comentaristas do vídeo que acompanha o texto, a montanha, com seus 4.300m de altitude no fim, reúne as quatro estações num só dia..

E tudo indica que quem fez chover foi um certo francês de Haguenau, que quase virou ginasta ou técnico em eletricidade, até colocar na cabeça a ideia de que gostaria de pilotar, em alta velocidade. Ainda outro dia ele trocava um Peugeot 205 por um Citroën Saxo, mostrava do que era capaz com um Toyota Corolla e iniciava, sempre com a Citroën, uma sequência inacreditável de nove títulos mundiais de rali. Mas Sebastien Loeb, que não quis o deca, preferiu encarar outros desafios. Venceu os X-Games de 2012, em plena Los Angeles, já havia sido segundo nas 24h de Le Mans e, quando surgiu a chance, resolveu encarar a subida de montanha mais desafiadora e tradicional do automobilismo. Não é questão de ter um chassi tubular 4×4 disfarçado de 208 com quase 900cv. Como diz o anúncio de pneu (logo de quem, rs…), potência não é nada sem controle.

E controle foi o que ele mais mostrou ao longo dos 20 quilômetros e 156 curvas, para não simplesmente vencer, mas demolir o recorde anterior, que já era impressionante. Por longos anos o que se tentou foi quebrar a barreira dos 10 minutos. O asfaltamento de todo o percurso ajudou, mas Rhys Millen ainda havia ficado nos 9min02 ano passado. Loeb precisou de 8min13s878, e se tornou ainda mais lenda. Pena que as imagens por momentos falhem, mas dá para ver claramente algumas coisas: primeira delas, a segurança é zero. Esqueça barreiras de pneus ou muretas de concreto, há até carros e torcedores à espreita poucos metros além da pista. E, na maioria do tempo, precipícios assustadores esperando. Ou seja: margem de erro zero. E o francês pilota de forma absolutamente limpa, sem sustos ou tentativas de flertar com o limite, o tempo todo com uma margem tranquila de asfalto. Veja com seus próprios olhos e tenha a exata noção do feito, mais um, de sua majestade Sebastien Loeb…

Hora da(s) agenda(s) e dos agradecimentos…

Antes de mais nada, num dia em que o blog recebeu um verdadeiro tsunami de leitores, com direito a visitas dos EUA, Itália, Bélgica, Argentina, França, Nigéria, Canadá, Inglaterra, Espanha e Portugal (nem todos devem ter compreendido o bom e velho português, se foram brasileiros que vivem longe de casa tanto melhor, que um dia o blog ainda aposta numa versão bilingue); bem como dos quatro cantos do país, só posso agradecer e, claro, ficar feliz por ver este espaço sendo privilegiado, conhecido, divulgado e vencendo novas fronteiras, que o objetivo é exatamente este: falar a linguagem da velocidade. Dito isso, é hora das agendas, que agora aparecem num post só. Eu tanto listo o que acontece pelo mundo, mesmo que distante das telinhas, quanto aquilo que fará parte da programação de emissoras, streamings e o que mais vier. Sim, o futebol ainda é o carro-chefe, mas dá para ter a noção exata de como automobilismo e motociclismo merecem espaço cada vez maior. Lógico que nós não vamos reclamar, né?  Muito pelo contrário…

Internacional

Mundial de Fórmula 1: oitava etapa – GP da Inglaterra (Silverstone)

Mundial de Turismo (FIA WTCC): sétima etapa – circuito de rua do Porto-POR

Mundial de Moto GP: sétima etapa – GP da Holanda (Assen)

Mundial de Superbikes: sétima etapa  Imola-ITA

GP2: quinta etapa – Silverstone

GP3: terceira etapa – Silverstone

91ª Pikes Peak International Hill Climb (EUA)

Blancpain Endurance Series: quarta etapa – Paul Ricard-FRA

Europeu de Rali: quinta etapa – Rally d’Ypres-BEL

Grand-Am: sétima etapa – 6h de Watkins Glen

Porsche Supercup: etapa de Silverstone

Nascar Sprint Cup: 17ª etapa – Kentucky

Nascar Nationwide Series: 15ª etapa – Kentucky

Sul-Americano de F-3: terceira etapa – Concordia-ARG

Sul-Americano de Rali: segunda etapa – Rally Trans Itapua-PAR

Nacional

Mineiro de Kart: quarta etapa – Vespasiano (classificatório para a Seletiva Petrobras)

Lancer Cup: quarta etapa – Velo Cittá

Fórmula Júnior: quarta etapa – Tarumã

Na TV

Sábado

6h  F-1: terceiro treino livre para o GP da Inglaterra  (Sportv)

7h  Mundial de Moto GP (Moto 3/Moto 2/Moto GP): GP da Holanda   (Sportv)

9h  F-1: treino oficial para o GP da Inglaterra (Globo)

20h  Nascar Sprint Cup: etapa de Kentucky (Fox Sports) *** adiada devido à chuva

Domingo

4h25 GP3: etapa de Silverstone (Sportv)

5h35 GP2: etapa de Silverstone (Sportv)

6h45 Porsche Supercup: etapa de Silverstone (Sportv)

9h F-1: GP da Inglaterra (Globo)

12h Grand-Am: 6h de Watkins Glen (Fox Sports)

13h Nascar Sprint Cup: etapa de Kentucky (Fox Sports)

Schumacher resolveu vender uma Ferrari exclusiva que eu vi de perto…

Diz um site italiano que Michael Schumacher resolveu se separar de um de seus vários brinquedos, e não é qualquer um. Depois de tudo vencer pela Ferrari e anunciar sua saída das pistas, ele foi presenteado pelo presidente Luca di Montezemolo com uma versão ainda mais especial do modelo FXX, que já era algo completamente fora do comum. Imagine o amigo leitor uma Enzo (tudo bem, agora temos LaFerrari) sem restritor de potência, ainda mais aliviada e com preparação de motor beirando os 800cv, pronta para andar apenas nas pistas e impossível de emplacar. Pois é, a dele era totalmente preta (exceção à região do número, que é até desnecessário, já que não estamos em corridas), identificada tão somente pelo 30 nas portas. Em novembro de 2009, quando tive o privilégio de adentrar no sacrossanto templo da velocidade localizado na Via Abetone Inferiore e adjacências, a hoje assessora de imprensa de Fernando Alonso, Roberta Vallorosi, fez questão de chamar a atenção: sim, aquela ali, preta, de número 30, é de Michael…

Pois parece que alguns tifosi estão encarando a decisão – em tempo, a máquina valeria em torno de 2,7 milhões de euros… – como uma traição por parte do heptacampeão. Na verdade, não é bem assim. O piloto que jurou encerrar seus dias esportivos na Ferrari realmente virou casaca e retornou à Mercedes, da qual agora é garoto-propaganda. E para acelerar sua FXX, por mais que tivesse vontade, Schumi teria que participar dos Ferrari Days, ao lado de afortunados proprietários de belezas semelhantes. Posto isso, tudo indica que o carro está exatamente onde e como eu vi, aí na foto. Não me parece caso de problema financeiro na família, muito embora ele realmente pudesse tê-la guardada em casa, como relíquia…

Sobre a decisão de Webbo…

Você é um tremendo piloto, mas tem a seu lado, no mesmo espaço, um fora de série, daqueles que aparecem uma vez a cada 10 anos. Venceu em Mônaco, Silverstone, Interlagos (tá certo, de presente), mostrou que em determinadas condições, ou num dia inspirado, não deve nada a ninguém, a ponto de merecer o respeito de todos os adversários.E sabe que não será campeão mundial de F-1 enquanto tiver entre os rivais “uns tais” de Vettel, Alonso, Raikkonen, Hamilton e Button. É rápido o suficiente para seguir na F-1, mas, ao mesmo tempo, maduro para, com 37 anos, encarar as 24h de Le Mans e as demais provas do Mundial de Endurance.

Sim, Mark Webber estava num dos lugares mais invejados e apreciados do circo, mas resolveu dar as costas à F-1 sem remorso ou dúvida, nem tanto por se considerar o número 2 – ficou claro, no episódio, como é querido por Christian Horner (de quem é sócio na equipe MW Arden da GP3) e por Dietrich Mateschitz, o criador do império Red Bull. Quem nunca foi com sua cara foi Helmut Marko, que a esta altura estará com certeza feliz, embora não tenha, na manga do colete, um novo Vettel para ocupar o lugar vago.

E que ironia ver o nativo de Queanbeyan optar pelo convite de uma fábrica da terra de Vettel (e quase da de Marko, Ferdinand Porsche era austríaco). Está mais do que na hora de parar de achar que saída da F-1 é fim de carreira. Quem acompanhou as 24h de Le Mans e viu a idolatria reservada a pilotos como Lucas di Grassi, Anthony Davidson, Kazuki Nakajima, Kamui Kobayashi, Giancarlo Fisichella, Tom Kristensen, Romain Dumas e Bruno Senna sabe que existe vida inteligente, emocionante e desafiadora fora do circo. A ser coadjuvante de luxo, melhor dividir por dois, ou três, os méritos das conquistas e vitórias…

Pikes Peak International Hillclimb: está chegando a hora…

O GP da Inglaterra, o Mundial de Moto GP em Assen, a Nascar, a Grand-Am e as demais categorias do fim de semana que me desculpem, mas não dá para não falar da mais sensacional, heterogênea, característica e, porque não dizer, maluca prova do automobilismo internacional. Era coisa apenas de norte-americanos, mas 156 curvas, quase 20 quilômetros e uma chegada a 4.300m de altitude são um desafio grande o bastante para atrair feras de todas as partes do mundo. E não é exagero dizer que a 91ª edição da Subida de Montanha Internacional de Pikes Peak, ou Pikes Peak International Hillclimb (PPIHC) é hoje o evento do esporte motor que envolve oficialmente o maior número de montadoras. Senão vejamos: Hyundai (atual campeã), Peugeot, Honda, Mitsubishi, Toyota, Scion (que também é Toyota), Freightliner – sim, tem malucos que encaram a montanha que homenageia o general Zebulon Pike, no Colorado, de caminhão; sem contar os protótipos, buggies, traquitanas com jeito de dragster, GTs, elétricos, carros históricos, como os Ford RS200 e mesmo alguns engenhos que saíram das pistas da Nascar.

E estamos falando apenas dos 68 quadrúpedes, porque motos também há, e muitas. A lista das nações inclui, além dos anfitriões, França, Inglaterra, Hungria, Canadá, Suécia, Japão e Lituânia. Entre os craques, você já leu aqui, Sebastien Loeb, Romain Dumas, Jean-Philippe Dayraut, Rod e Rhys Millen, Hiroshi Masuoka, Nobuhiro Tajima, Paul Dallenbach, Pat Doran, David Donner… Treinos de qualificação até amanhã, aquecimento no sábado e corrida domingo, caso o tempo permita. Em tempo, aí vai o registro de um UTV Polaris Razor que vai encarar a escalada. Como dizem os conterrâneos do Tio Sam, stay tuned, ou fiquem ligados…

Morte dos autódromos brasileiros: eu me junto ao movimento…

Jacarepaguá destruído; Goiânia e Brasília praticamente jogadas às traças e agora Curitiba. Que o leitor haverá de ter visto (se não viu fica sabendo aqui), perderá em breve seu autódromo. Sim, porque o Autódromo Internacional Raul Boesel será substituído por um condomínio residencial. Justamente uma das raras pistas brasileiras credenciadas para receber eventos com status de mundial FIA – foi assim com o WTCC, que apenas este ano deixou o calendário, dando lugar à vizinha Termas de Rio Hondo, na Argentina.

Ok, pistas nascem e morrem – há exemplos como os de Riverside (EUA), que sucumbiu exatamente à especulação imobiliária; Montlhery, na Grande Paris, ou Brooklands, primeiro palco da velocidade na Grã-Bretanha. Mas nos três países houve movimentação em sentido contrário e outros complexos surgiram – Barber Motorsports Park, Austin, Rockingham (o da Inglaterra). Aqui, como já comentei, nasceram o Velo Cittá, o ECPA, em Piracicaba, o Mega Space e o Velopark. Todos louváveis, mas nenhum infelizmente pensado ou em condições de pleitear um campeonato estrangeiro – em alguns casos não há nem como receber as categorias mais velozes ou maiores, como a F-Truck.

E justamente quando o automobilismo brasileiro vive um momento de força; quando categorias, equipes, campeonatos há, de qualidade e em bom número, falta o mais importante, que é o asfalto com a devida estrutura. Por essas e outras é que eu ponho mais expectativa e fé no projeto do Autódromo Internacional de Curvelo, o único que parece remar contra a corrente, e no momento mais adequado, já que no exterior não falta gente disposta em investir e adotar fórmulas que funcionam. Triste é ver que mesmo uma das praças automobilísticas mais bem usadas do país – além de tudo é um centro da arrancada – não resiste à pressão. Já que o momento é de reivindicar, que a comunidade do automobilismo se mobilize para evitar que a coisa fique ainda pior.

Mais imagens de Le Mans, a do recorde e a da tragédia…

Cá estão mais algumas imagens da 90ª edição das 24h de Le Mans, que deveriam ter entrado para a história apenas pela nona vitória de Tom Kristensen (ao lado de Loic Duval e Allan McNish), a 12ª da Audi em 14 participações, no que foi uma corrida até sem grandes emoções desde que o #1 teve problemas de alternador e foi obrigado a uma corrida de recuperação – e a Toyota, apesar do belo desempenho, mostrou não ter ritmo suficiente para encarar a armada germânica. Pena que já na segunda volta um acidente inexplicável tenha tirado a vida do dinamarquês Allan Simonsen – por mais que tenha visto a cena não consigo imaginar dinâmica capaz de provocar efeito tão devastador, e a simples constatação de que não se registrava acidente fatal desde 1997 mostra o quanto se evoluiu em termos de segurança. Discordo dos que dizem que “motorsport is dangerous” (o esporte motor é perigoso). Como bem dizem as credenciais entregues nos eventos oficiais da FIA, “motorsport can be dangerous” (pode ser perigoso). Ficam os sentimentos à família do piloto, devidamente homenageado pelo compatriota e recordista Kristensen. E que se aprendam mais uma vez as lições para evitar novas fatalidades… No mais, a se registrar o sensacional pódio de Lucas di Grassi, resultado impressionante para um estreante, num carro que tinha como objetivo ser o “plano C” da Audi, o azarão que só chegaria ao limite caso os outros dois enfrentassem problemas…

A agenda e a TV: Le Mans e o “”resto””

Para não entulhar o blog, que já teve três posts hoje, faço uma pequena mudança no esquema. No mesmo espaço, listo o que ocorrerá nas pistas durante o fim de semana e, da relação, o que pintará nas telas. Lógico que o grande destaque são as 24h de Le Mans que, a exemplo do ano passado, serão transmitidos na íntegra no site oficial da prova, para quem tiver fôlego e disposição para acompanhar toda a maratona, ou mesmo dar suas passadas pelas imagens e cronometragem do evento da Sarthe – basta clicar no http://www.24h-lemans.com/

Tem ainda Fórmula Indy, em Iowa, Mundial de Rali na Itália, duas divisões da Nascar em circuitos mistos; World Series Renault, F-Renault e Megane Trophy em Moscou, Brasileiro de GT/Mercedes-Benz Grand Challenge em Curitiba; Brasileiro de Motociclismo em Interlagos… Está logo abaixo…

Internacional

24h de Le Mans (terceira etapa do Mundial de Endurance)

Fórmula Indy: nona etapa – Iowa

Nascar Sprint Cup: 16ª etapa – Infineon Raceway

Nascar Nationwide Series: 14ª etapa – Road America

Mundial de Rali: sétima etapa – Rali da Itália/Sardenha

Renault World Series 3.5: sexta etapa – Moscou

Europeu de F-Renault: terceira etapa – Moscou

Megane Trophy: terceira etapa – Moscou

Superstars Series: quarta etapa – Zolder-BEL

GT Sprint Series: quarta etapa – Zolder-BEL

Dakar Series: Rali Ruta 40 (Argentina)

Nacional

Brasileiro de GT: segunda etapa – Curitiba

Mercedes-Benz Grand Challenge: segunda etapa – Curitiba

Brasileiro de Motociclismo/Moto 1.000GP: terceira etapa – Interlagos

Brasileiro de Motocross: terceira etapa (Sorriso/MT)

Copa Minas-Rio de Marcas e Pilotos: segunda etapa – Mega Space

Na TV

Sábado (22)

18h15     Nascar Nationwide Series: etapa de Road America                Fox Sports

Domingo (23)

10h40 Mercedes-Benz Grand Challenge                                              Sportv 2

12h     Brasileiro de GT: etapa de Curitiba                                            Sportv 2

13h30 Brasileiro de Rali (programa sobre a etapa de Ouro Branco)      Rede TV

16h     Fórmula Indy: GP de Iowa                                                         Band Sports

17h15 Nascar Sprint Cup: etapa de Infineon                                         Fox Sports

Nissan ZEOD RC: para acelerar sem barulho em 2014

A Nissan havia confirmado, por ocasião da abertura da nova sede de seu departamento de motorsport, a Nismo, no Japão, o retorno às 24h de Le Mans com um projeto inovador, do que seria o segundo carro movido 100% a eletricidade a encarar a maratona – o projeto Green GT, que seria o primeiro, acabou jogando a toalha depois dos primeiros testes. Com isso, a marca nipônica passou a ter direito a uma primazia e, como já se imaginava nos bastidores, juntou sua tecnologia à experiência adquirida com o projeto DeltaWing, apadrinhado ano passado. Para completar, Ben Bowlby, projetista do DW, foi contratado para supervisionar a gestação do Zeod RC, revelado ontem no paddock de Le Mans.

Que um é primo do outro e soluções como a seção frontal reduzida, os pneus dianteiros menores e o perfil aerodinâmico que lembra uma asa estão presentes em ambos é chover no molhado. O mais intrigante é saber que, mesmo com toda a sua expertise, os técnicos da Nissan ainda não sabem como farão para ter potência constante e superar os 300km/h por 24 horas contínuas. Serão usadas baterias de lítio, mas como se fará para adequá-las ao desenho do carro, se será necessário trocá-las durante a prova e como são perguntas que apenas os testes que começam em breve responderão. O visual pode dividir opiniões, mas está claro que a grande novidade vai estar sob a carenagem. É esperar para ver… 

Instantâneos de Le Mans…

Não, o blog não está em Le Mans, muito embora não falte vontade. Mas são tantas fotos, notícias e releases que chegam que seria egoismo não dividir este material com o amigo leitor. Segue então uma galeria de imagens dos treinos no circuito da Sarthe e, logo abaixo, o comentário de Bruno Senna, mais uma vez enviado diretamente pelo próprio, sobre a pole de seu carro para a prova de amanhã. Com Fred Makowiecki e Rob Bell, o brasileiro tem um trio consistente o suficiente para acreditar em um lugar no pódio…


Eu sei que é só uma classificação diante de uma corrida de 24h em que tudo pode acontecer, mas fiquei, e junto com toda equipe ficamos muito contentes de largar na frente para as 24h de Le Mans. Fomos rápidos nos treinos em diversas condições e o Fred Makowiecki realmente arrepiou nas voltas de classificação que fez na quarta e quinta a noite. Ainda temos um bom trabalho a realizar antes da corrida pra garantir que vamos fazer as decisões corretas com estratégia de pneus e acerto do carro, então muita preparação ainda pela frente. 

Abraco,
Bruno