F-1: 2014 e a fase da Red Bull

Começo o dia lendo em alguns sites e blogs que a Red Bull, foco de todas as atenções nesta pré-temporada do Mundial de Fórmula 1, teria feito um teste irregular, a exemplo do que fez ano passado a Mercedes em Barcelona, quando usou os carros de 2013 para avaliar novos compostos da Pirelli (e lógico que levou vantagem). Considerando-se que tal teste “irregular” teria ocorrido em Idiada, na Espanha, a história é completamente privada de qualquer fundamento. Cada time tem, ao longo do ano, oito datas para treinos em linha reta – avaliações aerodinâmicas, mas que logicamente podem dizer respeito a outros componentes do carro, incluindo o motor. Idiada é uma instalação usada pela maioria das equipes para este tipo de trabalho e, pelo menos neste aspecto, Adrian Newey, Chris Horner e seus comandados não têm qualquer culpa.

Ainda sobre o time do Touro Vermelho, interessante como surgiram as teorias mais estapafúrdias possíveis para justificar os problemas nos dois testes coletivos. Houve quem dissesse que é uma estratégia proposital para esconder o verdadeiro potencial do RB10, que seria uma forma de calar quem fala que Sebastian Vettel só vence quando tem um carro infinitamente superior aos demais, e outras bobagens mais. Alguém imagina que a equipe de maior sucesso da década arriscaria sua imagem para despistar os adversários? São muitas coisas novas num ano só para correr tal risco.

O que aparenta é a infeliz coincidência entre dois problemas. Lembro-me de ter lido Remi Taffin, da Renault, ter dito numa entrevista que não acreditava nos desenhos do motor V6 de 1.600cc divulgados pela Mercedes no começo do ano passado. É bem capaz que o propulsor tenha ficado muito diferente do esboço, mas quem está mal na fita é a fábrica francesa, que levou o turbo para a F-1, no fim da década de 1970, e agora patina com o ERS, o sistema de recuperação de energia cinética.

Ao mesmo tempo, Newey, provavelmente confiando na capacidade dos franceses em desenvolver um material capaz de se ajustar perfeitamente à sua mania de miniaturização, foi novamente fundo em sua obsessão aerodinâmica. Terá que sacrificar eficiência em nome de uma melhor refrigeração e lidar com um propulsor que, de acordo com o japonês falastrão Kamui Kobayashi, faz da Caterham “um carro mais lento do que um GP2” (e olha que a Caterham superou a Red Bull no Barein). É cedo para prever fracasso total, mas 18 dias são pouco tempo para reverter o quadro de modo a brilhar em Melbourne. Se acontecer, será de tirar o chapéu.

Aliás, tem um detalhe sobre o qual ninguém, de nenhuma equipe, ainda se pronunciou abertamente: uma coisa é andar rápido, completar boas sequências de voltas, andar um ou dois GPs. Outra, que vale a partir de agora, é conseguir levar o carro da largada à bandeirada com 100 quilos de combustível no tanque. Isso só nas ruas do Albert Park mesmo para saber…

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s