As máquinas da “Supertemporada”

Como o leitor deve saber, a saída da Porsche da categoria LMP1 no Mundial de Endurance provocou um terremoto que chegou a colocar em risco o próprio futuro  e o formato da competição. Se a Audi já tinha dado adeus em 2016, a despedida da outra marca do Grupo VW, atual campeã, deixou a Toyota falando sozinha em termos de protótipos híbridos, já que, ao menos por enquanto, nenhuma outra montadora resolveu encarar o nada barato desafio.

Felizmente houve quem, sem apoio de qualquer fabricante, decidisse encarar o que se transformou numa “Supertemporada” do FIA WEC, com início nas 6h de Spa-Francorchamps, em maio, duas edições das 24h de Le Mans (assim como na prova belga) e o retorno a Sebring, para uma prova de 1.500 milhas. O doutor Colin Kolles alinha, mais um ano, com seu agora chamado CLM P01-Enso, de motorização Nissan. Um protótipo que surgiu como Lotus, já teve vários propulsores e configurações distintas mas, em nenhuma delas, foi competitivo.

Por outro lado, o banqueiro russo Boris Rotenberg (SMP Racing) resolveu levar adiante o projeto que valeu o patrocínio a vários compatriotas e à produção de um LMP2 que, por não estar entre as quatro fábricas escolhidas pela FIA (Ligier/Onroak, Oreca, Dallara e Riley), ficou sem ter aonde acelerar. Graças a uma parceria com a Dallara, desenvolveu o BR1, de belas e agressivas linhas e que, na configuração do time, rodará empurrado por um V6 biturbo AER de 720cv.

Pois hoje (quinta-feira, 11), foi a vez de a Ginetta revelar seu G60-LT-P1, que contou com colaboração do tarimbado projetista italiano Paolo Catone, bem como de Adrian Reynard (outro que dispensa apresentações) e trabalho de desenvolvimento feito em parceria com a Williams. O visual ficou algo mais convencional do que o do BR1, mas esse é justamente o grande barato de uma categoria que dá maior liberdade na concepção: é possível seguir caminhos diferentes para brigar por vitórias. O primeiro “cliente” confirmado é ninguém menos que a Manor “de raiz” (leia-se, John Booth e Graeme Lowdon), e o discurso é o de cutucar a Toyota e seu TS050, mesmo sem a propulsão híbrida. Ainda que não seja o caso, teremos sim um campeonato e, o que é melhor, com pelo menos sete carros, aos quais se somam os P2, GTE Pro e GTE Am. Espetáculo certamente não vai faltar…

BR1

CLM P-01 Enso

Ginetta G60-LT-P1

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s